Warning: Declaration of WC_Subscription::get_status() should be compatible with WC_Abstract_Order::get_status($context = 'view') in /var/www/vhosts/igrejabrasileira.org.br/httpdocs/wp-content/plugins/woocommerce-subscriptions/includes/class-wc-subscription.php on line 15

Warning: Declaration of WCS_Meta_Box_Subscription_Data::save($post_id, $post) should be compatible with WC_Meta_Box_Order_Data::save($order_id) in /var/www/vhosts/igrejabrasileira.org.br/httpdocs/wp-content/plugins/woocommerce-subscriptions/includes/admin/meta-boxes/class-wcs-meta-box-subscription-data.php on line 20
Sacramentos - Igreja Brasileira | ICAB

OS 7 SACRAMENTOS

A ICAB celebra os sete sacramentos: Batismo, Crisma, Eucaristia, Penitência, Unção dos Enfermos, Matrimônio e Ordem.

Os Sacramentos, que chamamos de SINAIS DA GRAÇA DIVINA, são ministrados através de palavras e elementos rituais, foram instituídos por Jesus Cristo e confiados à igreja, como sinais sensíveis e eficazes de Graça, através dos quais nos é concedida a vida divina ou salvação. Na ICAB, o sacramento do Matrimônio não excluio o da Ordem.

Por meio dos sacramentos Cristo age em nós. Dependendo da disposição com que os recebemos, os sacramentos nos alimentam, fortificam e exprimem nossa fé, sendo sinais da graça de Deus, na vida cristã de cada fiel.

Batismo

“Ide, pois, e fazei discípulos a todas as gentes, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt. 28,19). “O que crer e for batizado, será salvo; mas o que não crer, será condenado” (Mc. 16,16)

O Batismo é o sacramento essencial, que nos faz oficialmente cristãos. Sem ele não é permitido receber os demais sacramentos. É o renascimento pela água e pelo Espírito Santo, que faz com que deixemos de ser simples criaturas e nos tornemos filhos de Deus. O Batismo nos confere a graça santificante de nos tornarmos Povo de Deus, membros do Corpo Místico, que é a Igreja.

Para que o Batismo seja válido é necessário que haja a matéria, que é a água; a forma, que são as palavras: “fulano, eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”; e a Intenção, que significa querer, ter fé e permanecer fiel ao Corpo Místico de Deus, que é a Igreja.  É o sacerdote quem realiza o Batismo, sendo esta uma de suas funções, mas havendo necessidade (em caso de doença grave, risco de morte), qualquer cristão poderá batizar, basta haver a intenção, utilizar a matéria e pronunciar a forma.

Lembramos que não é quem batiza, nem o ato de utilizar a água e pronunciar a forma, que irá salvar sua alma. Este é um modo ritualístico e penitencial, instituído na Bíblia Sagrada. Disse João Batista: “Eu em verdade vos batizo com água para penitência” (Mt 3, 11). Quem batiza verdadeiramente é Cristo e o que salva é a descida do Espírito Santo, que os faz filhos e filhas de Deus; é o mergulho no fogo divino; é o reavivamento do Cristo que está dentro de nós. “Ele é quem vos há de batizar, mas com o Espírito Santo e com fogo” (Mt 3,12).

Crisma

Crisma é o Sacramento que confirma o Batismo, daí também se chamar Confirmação, porque renova as suas promessas. O Batismo e a Confirmação imprimem caráter indestrutível; por isso são Sacramentos que só podem ser recebidos uma vez na vida.

Este Sacramento dá àqueles que foram batizados por decisão alheia a oportunidade de, perante a Igreja, confirmar os compromissos assumidos por outras pessoas em seu nome, no seu Batismo. Sendo assim, confirma o seu desejo de ser membro da família cristã, da Igreja e de reafirmar aqueles compromissos, depois de ter atingido a “idade da razão”.

O Ministro da Confirmação é o Bispo; entretanto, poderá ser um Padre por delegação apostólica. O Bispo procede à Confirmação, impondo a mão direita sobre a cabeça do crismando e traça com o polegar (umedecido no Óleo do Santo Crisma) o Sinal-da-Cruz em sua fronte dizendo: “Fulano, eu te assinalo com o Sinal-da-Cruz e te confirmo com o Crisma da salvação, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”. A seguir, bate-lhe levemente na face, dizendo: A paz esteja contigo.

A Matéria da Confirmação é o Óleo do Crisma, benzido pelo Bispo, em missa própria da Quinta-Feira Santa.

Eucaristia

Então Jesus pegou o cálice, agradeceu a Deus e disse: “Tomem isto e repartam entre vocês; (…)” A seguir, Jesus tomou o pão, agradeceu a Deus, o partiu e distribuiu a eles, dizendo: “Isto é o meu corpo, que é dado por vocês. Façam isto em memória de mim.” Depois da ceia, Jesus fez o mesmo com o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova aliança do meu sangue, que é derramado por vocês. (…)” (Lc. 22: 17-19-20).

A Eucaristia é o sacramento instituído por Jesus Cristo e deve ser renovado, pelo menos uma vez por semana, na missa dominical, pois é o próprio Cristo em forma de Pão e Vinho, que se faz presente no meio de nós.

Por ocasião da celebração da Páscoa, as véspera da Morte de Jesus, de acordo com o costume, Ele e seus discípulos, se puseram à mesa para a Santa Ceia Pascal. É nesse momento que Jesus institui o sacramento da Eucaristia.

Existem dois aspectos importantes a observar, quando Jesus institui este Sacramento. O Primeiro aspecto é que a Eucaristia é um sacramento de Comunhão (comum união), não só com o próprio Cristo, mas também entre os discípulos, quando Jesus diz: “Tomem isto e repartam entre vocês”. Fica claro que é um sacramento coletivo, daí porque é realizado, no momento de encontro fraterno, de celebração e oração comunitária, ou seja, na Santa Missa; O Segundo aspecto diz respeita à consagração do Pão e do Vinho no Corpo e Sangue de Jesus, para nos remir do pecado. Jesus disse: “Isto é o meu corpo, que é dado por vocês. Façam isso em memória de mim.” e “Este cálice é a nova aliança do meu sangue, que é derramado por vocês”. Estas palavras são pronunciadas no momento principal da Missa.

Jesus Cristo legou aos apóstolos o poder de consagrar, quando disse: “Fazei isto em memória de mim.”

Penitência

“Perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. De fato, se vocês perdoarem aos homens os males que eles fizeram, o Pai de vocês que está no céu também perdoará vocês. Mas, se vocês não perdoarem aos homens, o Pai de vocês  também não perdoará os males que vocês tiverem feito”. (Mt. 6:12-14-15)

A Penitência é um sacramento estabelecido por Jesus Cristo, dando poder aos Apóstolos e Discípulos de perdoar pecados, cujo direito fora outorgado aos Bispos e Padres. Jesus disse: “Recebam o Espírito Santo. Os pecados daqueles que vocês perdoarem, serão perdoados. Os pecados daqueles que vocês não perdoarem, não serão perdoados’ ” (Jo 20, 22-23). Para serem perdoados de seus pecados, basta o penitente arrepender-se do mal que praticou e converter-se, tomando firme propósito de emenda.

Na Igreja Brasileira não se usa a “Confissão Auricular”, admite-se apenas o arrependimento dos pecados, sem mencioná-los ao sacerdote, fazendo-o diretamente a Deus, sendo preciso, no entanto, a absolvição do Sacerdote, por medida disciplinar.

Se desejarmos de fato obter o perdão de Deus, é necessário, também, observarmos os ensinamentos de Jesus, quando nos ensinou a rezar pedindo o perdão de nossas dívidas na medida em que perdoamos nossos devedores, pois não é possível sermos perdoados se não conseguimos perdoar nossos irmãos.

Unção dos Enfermos

Este Sacramento foi promulgado pelo Apóstolo Tiago (Menor) através de sua Epístola:

“Alguém de vocês está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja para que reze por ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. A oração feita com fé salvará o doente: o Senhor o levantará e, se ele tiver pecados, será perdoado” (Tiago, 5:14-15).

O Sacramento da Extrema-Unção costuma ser administrado a um doente que está gravemente enfermo. O Sacerdote unge o doente na fronte com o óleo dos enfermos, fazendo orações e dizendo as seguintes palavras: “Por esta unção, o Senhor te perdoe todos os pecados que cometeste”. Se o doente sarar, quando tiver outra enfermidade, poderá ser-lhe administrada novamente a Extrema-Unção.

Matrimônio

“Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois serão uma só carne. Esse  mistério é grande: eu me refiro à Cristo e à Igreja. Por isso, cada um de vocês ame  a sua  mulher como a si mesmo, e a mulher respeite o seu marido.” (Efésios, 5:31-33).

O Matrimônio é a união entre um homem e uma mulher, cuja finalidade primordial é a procriação. Foi Deus que estabeleceu esta lei, quando criou os nossos primeiros pais: “Crescei e multiplicai-vos” (Gn 1, 22).

É um sacramento diferente dos outros, porque, teologicamente, os noivos é que são os Ministros, Sujeitos, Matéria e Forma; o Sacerdote é apenas testemunha, invocando as bênçãos de Deus para aquela união.

O Matrimônio deverá ser por toda a vida, mas se os cônjuges romperem, na forma da Lei, o vínculo matrimonial, o casamento estará dissolvido, motivo pelo qual a Igreja Católica Brasileira casa pessoas juridicamente divorciadas para que estas tenham uma nova oportunidade de ter uma vida conjugal abençoada por Deus.

São Cirilo de Alexandria, Bispo e Doutor da Igreja, que presidiu ao Concílio de Éfeso, pondera que o adultério dissolve completamente o Matrimônio. São João Crisóstomo, também Bispo e Doutor da Igreja, tende para a mesma opinião. Logo, uma vez dissolvido o Casamento pelos próprios ministros, a situação estando legalizada, estes poderão contrair novas núpcias na Igreja.

Na Igreja Brasileira, podemos celebrar o Sacramento do Matrimônio também fora dos templos, desde que se providencie um local adequado para isto.

Ordem

“Sigam-me e eu farei de vocês pescadores de homens” (Mt. 4:19).

“Avance para as águas mais profundas e lancem as redes para a pesca“ (Lc. 5:4).

A Ordem é um Sacramento que imprime caráter indelével, quer seja no Diaconato, Presbiterato ou Episcopado. Somente um Bispo consagrado poderá conferir este Sacramento, cuja parte essencial é a imposição das mãos sobre a cabeça do Ordenando, fazendo-o Ministro de Deus a partir daquele instante.

Na ICAB, os Diáconos, Padres e Bispos poderão optar pela vida celibatária, contanto que assumam um sério compromisso de zelar pela boa reputação do seu nome e, consequentemente, pelo nome da Igreja. Os mesmos também poderão optar pela vida matrimonial, contanto que, também, assumam a responsabilidade de serem chefes de famílias exemplares, para a edificação dos fiéis e da Igreja.

Os vocacionados deverão se apresentar aos Párocos ou Bispos Diocesanos, com o requerimento externando o seu desejo de seguir no Ministério Ordenado, conforme regulamentação (Leis Canônicas) da ICAB.

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.